Blog Reclame AQUI

blog reclame aqui
Redes Sociais

Seu negócio está a um algoritmo das redes sociais de sumir do mercado

Os algoritmos são o maior terror das mídias sociais, por isso desenvolvemos esse material explicando como isso funciona em cada rede social.

Antes de mais nada, você já percebeu que vira e mexe o Google surge com algumas atualizações que impactam o ranqueamento dos seus conteúdos nos resultados de buscas orgânicas? Pois bem, não é só com o buscador que isso acontece não, o algoritmo das redes sociais também são aprimorados constantemente, e isso muda o alcance da sua marca.

É por isso que é importante ficar de olho nas mudanças e adaptar as estratégias. Assim, é possível manter a sua marca relevante na internet e faturar mais. Gostou da ideia e quer saber como conseguir isso? Preparamos um artigo completo sobre o assunto. Confira!

O que é o algoritmo das redes sociais?

Primeiramente, o algoritmo é um conjunto de regras e operações bem definidas com o objetivo de resolver algum problema. Além disso, no caso das redes sociais, a sequência de instruções é usada para determinar quais são os conteúdos mais relevantes para cada pessoa e melhorar a experiência do usuário.

Por que o algoritmo muda de tempos em tempos?

Porque o comportamento do consumidor também muda. Simples assim! Por isso, as redes sociais fazem atualizações para garantir experiências cada vez mais adequadas ao perfil do usuário.

Veja a tendência de vídeos curtos, por exemplo. O formato é o mais novo queridinho da Geração Z porque tem tudo a ver com a era em que estamos vivendo. Estamos em plena economia da atenção em que a dedicação do consumidor em apenas uma tarefa está cada vez mais escassa.

Em outras palavras, isso quer dizer que com o monte de conteúdo e diversos formatos disponíveis na rede, as empresas precisam usar a criatividade para despertar o interesse do público e fazê-lo gastar o que há de mais precioso nos dias de hoje: tempo e atenção. A febre do TitkTok está aí para comprovar o movimento.

E sempre que acontecem essas mudanças de comportamento, os algoritmos podem ser atualizados para privilegiar o tipo de conteúdo que o usuário mais gosta.

Leia também: Fatores que influenciam suas vendas no e-commerce.

Como funcionam o algoritmo das principais redes sociais?

A princípio, a primeira coisa que você precisa saber é que cada rede tem as suas próprias regras para classificar os conteúdos. Ou seja, as estratégias usadas no Facebook, por exemplo, podem não funcionar tão bem no LinkedIn e no Twitter.

Do mesmo modo, nem todas as empresas falam abertamente sobre o funcionamento do algoritmo das redes sociais, profissionais de marketing do mundo inteiro usam sua expertise para desvendar os mistérios por trás das redes.

A seguir, vamos explicar melhor como funcionam os sistemas de classificação e os principais fatores para exibição dos conteúdos. Olha só!

Facebook

O Facebook foi fundado em 2004, mas só chegou ao Brasil em 2007. A história da rede social já virou até tema de filme hollywoodiano. Então, é bem provável que você saiba como a marca começou.

O fato é que, no início, não existia algoritmo das redes sociais e os conteúdos eram exibidos no feed em ordem cronológica. No entanto, à medida que a rede social foi ganhando relevância e reunido milhões de usuários no mundo inteiro, a empresa decidiu usar a tecnologia para filtrar o joio do trigo, sabe?

Como o volume de conteúdos postados era enorme, muitas vezes, assuntos de interesse dos usuários se perdiam rapidamente na tela. Foi por isso que a rede social desenvolveu um esquema de regras para exibir conteúdos mais adequados aos interesses de cada usuário. Hoje, os critérios de categorização são os seguintes.

Relacionamento

Se você curte constantemente postagens de determinado amigo ou marca, por exemplo, o Facebook entende que você gosta daquele tipo de conteúdo e passa a exibir com frequência os posts do autor. Isto é, as publicações de amigos e marcas que o usuário costuma interagir são priorizadas.

Engajamento da rede de amigos

O engajamento dos seus amigos interfere diretamente nos conteúdos exibidos no feed. Se várias das pessoas que você costuma interagir curte, compartilha, comenta e clica no link de uma notícia, por exemplo, com certeza a publicação também seja exibida para você.

Formato de conteúdo preferencial

Quem lê muito textão no Facebook, vai visualizar cada vez mais conteúdos em formato de texto no feed. Agora, quem passa direto e visualiza apenas os vídeos, a rede social vai entender que aquele é o formato preferencial e privilegia esse tipo de conteúdo no feed do usuário. Em resumo, o Facebook entende o comportamento do usuário para exibir os formatos que ele mais gosta de interagir.

Relevância

O objetivo da rede social é entregar conteúdos relevantes para cada usuário. E para determinar o que é relevante ou não, o algoritmo considera:

  • notícias: informações novas são priorizadas;
  • autenticidade: a publicação original é considerada mais relevantes se comparada aos compartilhamentos;
  • tempo de permanência: o tempo que o usuário gasta interagindo com a postagem é um indício de relevância;
  • potencial de engajamento: publicações com grande número de reações, comentários e compartilhamentos têm um maior potencial de agradar o usuário.

Instagram

O Instagram é outra rede social que começou sem algoritmos. Os posts na timeline eram exibidos em ordem cronológica e todos os conteúdos eram entregues. Em 2016, tudo mudou para garantir que o usuário tenha acesso a postagens mais alinhadas aos seus interesses. Por isso, os seguintes fatores pesam na classificação.

Temporalidade

Apesar de o feed não ser mais organizado em ordem cronológica, as postagens mais recentes ainda são privilegiadas.

Engajamento

Comentários, curtidas, conteúdos salvos e por aí vai. O Instagram entende que conteúdos com alto engajamento são mais relevantes. É por isso que eles são exibidos primeiro.

Relacionamento

A lógica aqui é bem parecida com a do Facebook. Conteúdos de amigos, influenciadores e marcas que você costuma interagir são priorizados.

Twitter

Uma regra básica do Twitter é a exibição de postagens em ordem cronológica reversa. O raciocínio por trás disso é simples: essa rede social é uma espécie de microblog para comunicação em tempo real.

Mas como a rede social foi comprada por Elon Musk e o empresário prometeu abrir os códigos dos algoritmos do Twitter, é bem possível que venham mudanças significativas A seguir, vamos explicar algumas regras em vigor.

Tweets ranqueados

Com base no comportamento do usuário, o algoritmo destaca alguns tweets com potencial de engajamento.

Caso você tenha perdido

Nessa seção o Twitter exibe postagens mais antigas e com um bom engajamento que, eventualmente, passaram despercebidas pelo usuário.

Timeline

Esse é o feed principal da rede social onde aparecem todos os tweets em ordem cronológica reversa. Aparecem aqui também publicações que tiveram interações de amigos, sugestões de conta e até anúncios.

LinkedIn

O LindedIn é uma rede social especializada em relacionamentos profissionais. Então, é de se esperar que os conteúdos da rede sejam mais aprofundados, não é mesmo? Pois bem, de fato, a qualidade do conteúdo é um fator que pesa bastante para o algoritmo. Veja, a seguir, os pontos mais importantes.

Avaliação do conteúdo

Os algoritmos entram em ação assim que um conteúdo é publico, tanto para classificá-lo como medir qualidade para os usuários. Quanto melhor for a publicação, maiores as chances de priorização.

Engajamento

Você já deve ter percebido que o engajamento é fator-chave para os algoritmos de todas as redes sociais, não é mesmo? O LinkedIn também usa a métrica para avaliar a qualidade do conteúdo. Afinal de contas, geralmente, quando o conteúdo é bom ele gera muitas interações.

Autenticidade

A plataforma analisa o perfil dos usuários engajados para certificar-se de que aquelas contas são reais. Mas isso só acontece em postagens virais. Outro fator considerado é o nível do perfil do autor. Quem preenche todos os campos do cadastro consegue alcançar mais gente com suas publicações.

Vida profissional

O LinkedIn é uma rede social voltada para os relacionamentos sociais, lembra? Na hora de classificar os conteúdos, fatores como a empresa em que o usuário trabalha, profissão e área de atuação são levados em conta. Desse modo, as atividades das conexões também costumam ser priorizadas.

YouTube

O consumo de conteúdos em vídeo vem crescendo muito ao longo dos anos. E o YouTube foi uma das principais redes responsáveis por essa popularização. Veja só o que o algoritmo da plataforma considera na hora de classificar os vídeos.

Histórico de atividade

Você já percebeu que após ver um review de um produto no YouTube, a rede social passa a exibir vários conteúdos parecidos? Isso acontece porque o algoritmo da plataforma entende que aquele vídeo é relevante para o usuário e entrega mais conteúdos assim.

O algoritmo utiliza vários dados para entender o perfil dos usuários como inscrições, mídias mais assistidas, likes, deslikes, histórico de plays e até o tempo que o usuário assistiu aos vídeos.

Saiba mais sobre reviews e avaliações: A importância de ter avaliações no seu e-commerce.

Palavra-chave

Esse é um critério usado para as buscas na rede social. Ao digitar uma palavra-chave, o algoritmo faz uma busca do termo em títulos dos vídeos, descrições e até hashtags. É por isso que é importante otimizar os conteúdos com SEO. Além disso, para ranquear alguns resultados, o engajamento é o principal ponto considerado.

Vale a leitura: SEO — entenda tudo sobre a otimização nos motores de busca.

Relevância do canal

Canais que não produzem com consistência, geralmente, sofrem com a baixa entrega dos vídeos. Isso porque a plataforma valoriza os produtores de conteúdo mais comprometidos que fazem vídeos com regularidade.

TikTok

O TikTok é uma das maiores tendências entre as redes sociais. Até já falamos um pouco dele lá em cima. Como estamos em plena economia da atenção, os vídeos curtos da plataforma oferecem uma maneira prática e rápida de informar e entreter.

No entanto, o fato de ter vídeos mais resumidos não significa que o tempo gasto na plataforma é menor. Na verdade, as mídias são tão viciantes que os usuários podem ficar horas se distraindo na plataforma sem nem perceber o tempo passar.

E assim como as outras redes sociais que citamos por aqui, o TikTok também trabalha com algoritmos para oferecer conteúdos mais adequados aos interesses de cada usuário. Aliás, muitos influenciadores digitais estão migrando para a plataforma por causa do alcance e do melhor retorno financeiro, inclusive com lives.

Detalhe: a rede social não usa o número de seguidores do criador de conteúdo, nem engajamentos em vídeos anteriores para recomendar vídeos. A seguir, vamos explicar melhor quais são os critérios considerados nas recomendações.

Interações do usuário

As contas que o usuário segue, os vídeos adicionados nos favoritos, as mídias marcadas como “não tenho interesse”, a taxa de conclusão de vídeo, comentários e até os conteúdos postados na própria conta servem para o algoritmo entender melhor os gostos de cada usuário.

Configurações do dispositivo e da conta

Comédia, animais, beleza e estilo, comida, talentos, motivação, entre outros. Por isso, ao criar a conta, a rede social pede que você selecione alguns interesses e essas escolhas influenciam nas primeiras recomendações. Informações do dispositivo também contam como configuração de idioma, país e tipo de dispositivo móvel.

Ufa! Os algoritmos das redes sociais são cheios de regras e critérios para classificar os conteúdos e entregar experiências cada vez mais personalizadas aos usuários. O problema é que, com as mudanças frequentes, produtores de conteúdo e profissionais de marketing podem ficar perdidos com as atualizações. E é sobre isso que vamos falar a seguir.

Como se adaptar às mudanças contínuas do algoritmo das redes sociais?

Tem que ficar de olho nos anúncios de atualizações do algoritmo das redes sociais, assim que as mudanças entrarem em vigor, é necessário ajustar os conteúdos e fazer testes até se acertar a estratégia. Então, como cada rede social tem suas particularidades, é importante criar conteúdos específicos para cada uma delas.

Mas atenção: apesar dessa diferenciação para cada plataforma, é fundamental alinhar os discursos na estratégia omnichannel para que o consumidor possa trocar de canal se desejar, viu?

Essa união de esforços permite a coleta de dados de todos os pontos de contato para entender melhor o comportamento do consumidor e prever tendências de consumo. Dessa forma, é possível se antecipar às mudanças de algoritmos e sair na frente da concorrência.

Vale até visitar as páginas das redes sociais no Reclame AQUI para verificar as reclamações mais frequentes. Afinal de contas, as redes podem aperfeiçoar os recursos com base nos feedbacks dos usuários.

Por fim, entender como funcionam algoritmo das redes sociais é fundamental para manter a sua empresa relevante na internet. Se você não acompanhar as mudanças e adaptar as estratégias, os conteúdos da sua marca podem “sumir” do feed e seu negócio perder várias oportunidades de vendas. E não é isso que você quer, não é mesmo? E aí, já deu para perceber a importância de se atualizar? Então, fique por dentro de outras novidades com nosso material gratuito (E-book + webinar gravado) sobre as Tendências para o E-commerce em 2022 e comportamento do consumidor. Com isso, você vai aprender a potencializar as estratégias da sua marca. Que tal?

Deixe uma resposta