Por: Diego Campos, CTO do Reclame AQUI


O título pode não dar a entender, mas esse artigo é sobre inovação, mais especificamente como a TI pode ocupar um papel importante no processo de inovação de uma empresa.

Dependendo do tipo de empresa, o setor de tecnologia vai ter diferentes desafios e responsabilidades. Em algumas, a TI será aquele setor que diz o que se pode ou não usar/acessar. Já em outras, também será a área responsável pelo desenvolvimento do produto.

Irei me concentrar no segundo tipo de empresa que citei, aquele onde a TI é responsável por entregar o software que, no final das contas, é a representação do negócio.

Essa TI, geralmente, é formada por engenheiros de software, em sua maioria. Esses profissionais, escassos no mercado, atualmente conseguem escolher onde desejam trabalhar, e salário não é mais o único fator de decisão.

Ambiente físico, propósito, cultura, valorização real das pessoas, são fatores que cada dia mais fazem diferença no momento da escolha.

Contudo, independente da empresa pela qual optarem, eles serão altamente cobrados por garantir escala, disponibilidade, segurança e baixo custo no código que entregam. Os prazos serão apertados e as equipes menores que o necessário.

O dilema que surge então é: como manter uma equipe com o mindset inovador, pensando fora da caixa, buscando o novo, se o pragmatismo muitas vezes é a melhor saída para que os objetivos sejam cumpridos?

Se você espera encontrar resposta aqui, eu sinto muito, pois eu também não sei. O que posso compartilhar é a forma como venho tentando implantar um ambiente baseado em experimentação, cooperação e confiança, que para mim
são os fatores críticos para que a inovação aconteça.

Certa vez eu assisti uma sessão no SXSW onde o palestrante tinha uma abordagem curiosa; ele dizia que o código era fruto de criatividade e que, portanto, os desenvolvedores deveriam ser tratados como artistas. Pode parecer excessivo, mas aquilo fez total sentido para mim.

O termo artista foi usado no sentido de transformar o desenvolvedor em um agente de inovação através de um ambiente que o incentive a buscar, estudar e usar abordagens e tecnologias diferentes para gerar experimentos. Quanto mais experimentos, maior a chance de a inovação surgir, e assim criar-se a “arte”.

A maior parte desses experimentos vai falhar, ou pelo menos não vai levar ao resultado esperado quando se iniciou. Isso por si só já é algo valioso, saber o que não fazer é tão importante quanto saber o que fazer.

Quando o experimento traz um resultado desejado, seja uma funcionalidade para um usuário final, seja uma nova forma de entregar infraestrutura e/ou operação, a sua implantação em ambiente produtivo pode gerar erros ou problemas não mapeados, o que pode afetar a plataforma e gerar impacto financeiro e de credibilidade.

Se o resultado desse impacto for a costumeira busca pelo culpado e sua tradicional penalização, nenhum modelo baseado em experimentação vai funcionar. A cultura da “busca pelo culpado” é a maior vilã de empresas que querem de alguma forma inovar.

Criar um ambiente que gere inovação requer trabalho, tempo, mudança de  hábitos e muita dedicação. Isso ultrapassa as fronteiras da TI, isso precisa ser um objetivo da empresa.

Se, por exemplo, “TI/Produto” e “Negócio” viverem na maior parte do tempo o pesadelo de que estão em lados opostos, certamente esse ambiente não vai existir. A falha é precedente da inovação, e a ferramenta mais importante para permear esse processo é a confiança.

Por outro lado, os empoderados devem ter uma postura de curiosidade, responsabilidade e cooperação. O conhecimento adquirido por um tem que fluir para os demais. O profissional mais sênior tem que cuidar do menos sênior, e antes de ter o compromisso com a empresa empregadora, ele precisa ter compromisso com seus pares.

No final, você tem uma equipe mais resiliente, mais preparada tecnicamente, mais apta a suportar as possíveis – para não dizer inevitáveis – saídas de integrantes. Essa equipe será capaz de abraçar desafios com naturalidade e a chance de inovar será maior. A arte vai surgir!

Leia mais artigos AQUI.

Sobre Diego Campos

Diego Campos é sócio e CTO do Reclame AQUI. Comanda, motiva e inspira times compostos por engenheiros, product managers, product owners, product designers e analistas de QA a trabalharem juntos, fazendo o que gostam, num ambiente que valorize as pessoas, entregando trabalhos de alta qualidade em forma de software. Formado em Ciência da Computação na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e em Gestão FGV EAESP – Escola de Administração de Empresas de São Paulo.

Deixe uma resposta