blog reclame aqui

O 5G veio aí: o que muda para o consumidor com essa nova tecnologia

Na velocidade da luz”. Se fosse para resumir a chegada da tecnologia 5G no país, essa expressão poderia cair bem. 

E a rede promete entregar um grande avanço no país, sendo base para o desenvolvimento de diversas novas tecnologias, além da internet móvel ultrarrápida. De acordo com os testes de velocidade, acredita-se que a tecnologia 5G vai possibilitar uma velocidade de download 20 vezes mais rápida que com o 4G. Atualmente, a velocidade máxima de download é de 1 Gbps, e com a nova rede a expectativa é chegar a 20 Gbps. 

principais características da rede 5G
Vantagens da rede 5G, que está sendo implementada nas capitais e principais cidades brasileiras

Fuja dos golpes do Pix: não caia nas fraudes do momento

Além disso, a rede possibilitará um melhor acesso aos estudos online e trabalho remoto, com maior qualidade em reuniões virtuais, aprimoramento da mobilidade urbana e evolução de cidades inteligentes.

Em Brasília a tecnologia já está operando com 50% de cobertura, além das capitais Belo Horizonte, Porto Alegre e João Pessoa, que possuem a adaptação necessária das estações receptoras de satélite. Com a implementação do sistema nessas capitais, será a vez do Rio de Janeiro, Curitiba, Goiânia, Salvador e São Paulo, que inclusive iniciou a implementação nesta quinta-feira, dia 4 de agosto.

De acordo com a Anatel, o número de pedidos de licenciamento de estações para a ativação do 5G standalone na cidade de São Paulo já representa cerca de 30% do total de estações atualmente ativas (4.592), estimando a cobertura em 25% da área urbana de São Paulo, uma vez que a propagação na faixa do 3,5 GHz é menor.

O prazo limite para que todas as principais cidades dos estados brasileiros estejam capacitadas para oferecer a tecnologia vai até o dia 29 de setembro, exatamente um mês após a expectativa de operacionalização nas capitais informada pelo Ministério de Telecomunicações.

Mas afinal, a rede 5G facilitará a vida do usuário no dia-a-dia ou as adequações que serão necessárias para ter acesso à essa tecnologia impactarão no bolso do consumidor?

Antes de tudo, as operadoras de telecomunicações ainda estão se preparando para receber a tecnologia. Em matéria publicada recentemente pelo G1, cabe a Anatel liberar essa ativação, mas é necessário que a entidade que representa as operadoras que possuem o direito de utilização do 5G, conclua:

  • A instalação de estações rádio base (torres de comunicação) na quantidade mínima exigida pelo edital do 5G;
  • Instalação de filtros para evitar interferências em faixas adjacentes; e
  • Iniciar a distribuição de kits de recepção do novo sinal das TVs parabólicas à população que tem direito (baixa renda).

Falsa Central de Atendimento: Fique em alerta e saiba como se prevenir do golpe

E para o consumidor?

Se você está se perguntando se precisará trocar seu aparelho para ter acesso à rede 5G, a resposta é SIM. Para se conectar com a nova tecnologia, será preciso ter um smartphone habilitado para operar nessa nova frequência.

Atualmente, pouco mais de 65 modelos de aparelhos estão aptos a receber o 5G na faixa 3,5 GHz (requisito indispensável para a operação), como divulgado nesta lista produzida pelo canal CNN. Além disso, na hora de fazer a compra do seu aparelho, a Anatel recomenda que o consumidor verifique se o celular possui o selo de homologação da Agência, já que ela indica que apenas aparelhos homologados sejam usados no Brasil.

O que irá acontecer com as redes 2G, 3G e 4G? As tecnologias já conhecidas 2G, 3G e 4G permanecerão como estão, mas passarão por uma fase de aprimoramento. Então, por enquanto, a troca não será obrigatória e a mudança de dispositivo é apenas uma opção dos consumidores que desejam utilizar o 5G.

E quanto aos pacotes e planos, terão seus valores alterados?

Para entender os pacotes de cada operadora, é preciso conhecer as diferenças na infraestrutura que suporta o 5G: 

5G DSS: usa equipamento (e faixas de frequências) do 4G para oferecer internet mais rápida (na casa dos 100 Mbps). As principais operadoras já oferecem esta modalidade em diversas cidades desde 2020. 

5G NSA (Non Standalone): usa a frequência de 5G e utiliza parte central da rede 4G. Oferece internet rápida, mas o tempo de resposta entre comando e execução não é tão baixo. 

5G SA (Standalone) ou “puro sangue”: usa a frequência de uma infraestrutura dedicada apenas ao 5G. É a versão que oferece os principais benefícios, como internet super-rápida e menor tempo de comando e execução.

As operadoras de telefonia se posicionaram e declararam que, por enquanto, os valores não serão alterados para a rede 5G NSA, e o usuário precisará apenas trocar o chip. No entanto, caso o consumidor queira uma rede dedicada integralmente ao 5G (no caso a rede 5G “puro sangue”), o pacote deverá ser contratado à parte. Então cabe ao consumidor procurar a sua operadora e se informar melhor como irá funcionar em cada plano.

Ou seja, ficará a critério do usuário decidir se há a real necessidade da utilização da nova tecnologia 5G, visto que as outras redes ainda continuarão disponíveis no país. É importante lembrar que para esta transição, as cidades que receberem a potencialização do 5G precisam estar em dia e em conformidade com a disponibilização do sinal, além do próprio usuário precisar fazer a troca do seu aparelho celular e chip conforme recomendado pela Anatel.

E aí consumidor, acha que vai valer a pena a troca da sua rede para o 5G?

Fontes: Uol/ CNN Brasil/ Olhar Digital/ Anatel

Deixe uma resposta

%d