Blog Reclame AQUI

blog reclame aqui
Marketing

Conheça a nova atualização do Google e como pode impactar o seu e-commerce

Saiba mais sobre a atualização do Google e como usar estratégias para garantir um bom ranqueamento e atrair tráfego para seu e-commerce.

Não adianta disponibilizar diversas formas de pagamento no e-commerce, garantir preços bacanas, oferecer atendimento impecável, entre outros atributos se o consumidor não conseguir encontrar a página na internet, concorda? Pois bem, usar estratégias para garantir um bom ranqueamento do site no Google é importante para atrair tráfego para loja virtual e vender.

E olha que existem dados para comprovar isso, viu? De acordo com uma pesquisa da Backlinko o primeiro colocado nos resultados de busca orgânica tem 10 vezes mais chances de receber um clique se comparado ao 10º colocado. Mais:

  • o resultado nº1 de buscas orgânicas conquista 31,7% dos cliques;
  • o segundo lugar fica com 24,71%;
  • o terceiro colocado abocanha 18,66%;
  • a maioria dos usuários não ultrapassa o 5º resultado;
  • apenas 0,78% das pessoas que usam o buscador clicam em links da segunda página.

Dados interessantes, né? O que muita gente não sabe é que no final de 2021 o Google anunciou uma novidade: os reviews agora interferem no ranqueamento.

E para falar sobre a atualização, preparamos este artigo. A seguir, vamos explicar melhor sobre o modus operandi do Google e como a novidade pode impactar o seu e-commerce. Confira!

Como o Google funciona?

Antes de mais nada, vale aqui um esclarecimento. Apesar de o Google já ter virado sinônimo de buscador da internet, ele não é a única ferramenta que faz isso. Tem também o Yahoo!, Bing, Ask, AOL, MSN Search e por aí vai. Ao todo, são mais de 40.

A grande questão aqui é que o Google é responsável por cerca de 94% das buscas pela internet. É por isso que as otimizações para o buscador são mais importantes. Veja só como ele funciona.

Conheça a nova atualização do Google e como pode impactar o seu e-commerce
Conheça a nova atualização do Google e como pode impactar o seu e-commerce.

Rastreamento

Tudo começa com a pesquisa. Você insere um termo-chave no buscador e os robôs do Google — também conhecidos como Googlebot ou spiders — fazem uma varredura na internet para encontrar páginas novas, atualizadas e resultados relacionados.

Funciona mais ou menos assim: os bots entram em todos os links para ler e entender o conteúdo. O interessante é que isso é feito em frações de segundos que a gente nem percebe.

Nesse momento, os robôs fazem uma espécie de cópia dos dados das páginas para análise posterior. Entram nesse banco de informações a palavra-chave, tamanho do conteúdo, data de publicação ou atualização, backlinks etc.

Indexação

Sabe quando a gente abre o sumário de um livro em busca de um assunto específico e já vai direto para a página correspondente? O processo de indexação do Google funciona de maneira semelhante.

Após a varredura, o mecanismo de busca faz uma lista de URLs como se fosse o sumário de um livro. As palavras-chave são espécies de porta de entrada para o conteúdo, entende?

Na prática, quando uma página está indexada no Google significa que o buscador a encontrou, a incluiu em sua biblioteca e catalogou tudo direitinho para o endereço ficar disponível para ser exibido nos resultados de busca.

Ranqueamento

Quando você faz uma pesquisa, o Google pega aquela lista de URLs indexadas para identificar conteúdos relacionados. Daí os algoritmos criam um ranking com as melhores respostas.

Em teoria, os primeiros resultados atendem melhor as intenções de busca dos usuários e recebem a maioria dos cliques — conforme os dados da pesquisa que mostramos lá no início.

Então, é importante trabalhar para garantir boas posições dos resultados orgânicos. A seguir, vamos explicar melhor o que os algoritmos do Google consideram para fazer a classificação.

Quais são os principais fatores de ranqueamento?

O Google considera mais de 200 aspectos na hora de organizar os resultados de busca. Veja só quais são os fatores que merecem mais atenção.

Imagem ilustrativa - Principais fatores de ranqueamento.
Imagem ilustrativa – Principais fatores de ranqueamento.

Palavra-chave

Vamos supor que você tenha um notebook em casa que está dando dor de cabeça por causa da lentidão. Ao procurar por soluções no Google, você vai digitar algo do tipo: “notebook travando: o que fazer?”, “notebook travando e lento” ou “notebook travando muito”, certo?

A palavra-chave é uma espécie de termo coringa para que o usuário consiga obter a resposta desejada. É por isso que é fundamental trabalhar bem esse aspecto nos conteúdos, inclusive com sinônimos e variações semânticas para melhorar a experiência do usuário.

Conteúdo

O Google consegue ler e interpretar os conteúdos. Se ele percebe que um texto não cumpre a promessa do título, por exemplo, o endereço é penalizado e perde posições no ranqueamento.

Um dos indícios de inadequação é a taxa de rejeição. Pense bem: você logo sai de um site quando entra e percebe que ele não tem o que procurava, não é mesmo? O buscador entende esse movimento e deixa de exibir a página entre os resultados para a palavra-chave.

Título e meta descrição

A primeira coisa que o usuário vê nos resultados são os títulos. Sendo assim, ele precisa ser atrativo e representar muito bem o conteúdo da página. A recomendação é que esse campo tenha a palavra-chave.

Já a meta descrição é aquele resuminho que aparece abaixo do título, sabe? Esse texto também é importante para atrair mais cliques.

Imagens

As imagens são representações visuais do conteúdo. No e-commerce o recurso é especialmente importante porque mostra ao consumidor o produto ou serviço que ele está prestes a comprar.

No entanto, não é apenas a qualidade da fotografia que conta, viu? Isso porque o Google não é tão eficiente para interpretar esse tipo de conteúdo. Para que o buscador entenda melhor as imagens, vale usar legendas e textos alternativos de imagem.

URL

Veja só dois links hipotéticos e responda: qual deles é mais fácil de ler e lembrar?

– blog.reclameaqui.com.br/tudo-sobre-marketing-digital/

– blog.reclameaqui.com.br/1voV8LoNKmdIOKIGR-5XtmuxliquWxZAsC1JXOJZnBQE/

Nem precisa raciocinar muito para responder, não é mesmo? Assim como a gente tem dificuldade de ler e memorizar esse emaranhado de letras que não faz sentido algum, o Google também sofre para interpretar uma URL assim. É por isso que endereços otimizados costumam conquistar melhores posições nos resultados de busca.

Rastreabilidade

Páginas de login do e-commerce, formulários de cadastro, entre outras funções, não precisam estar disponíveis para o buscador. Em situações assim, um código Robots.txt é inserido para bloquear o rastreamento.

O problema é quando o recurso é inserido de forma equivocada em páginas que deveriam ser encontradas. Daí, elas não vão aparecer nos resultados de pesquisas do Google.

Mapa do site

Também conhecido como sitemap, o documento é uma espécie de organograma que mostra a hierarquização das páginas do site. Lojas virtuais precisam desse mapa muito bem-estruturado por causa da categorização de produtos — uma das funcionalidades essenciais para o e-commerce.

Design responsivo

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o celular é a principal ferramenta de acesso à internet. Então, faz todo sentido otimizar as páginas para dispositivos móveis, não é mesmo? É por isso que o fator responsividade pesa no ranqueamento.

Usabilidade

É comum o usuário abandonar em poucos segundos um site bagunçado e de navegação complicada. Com uma alta taxa de rejeição, o Google entende que a página não é muito legal, sabe?

Por outro lado, um e-commerce com navegação fluida e agradável é mais fácil de usar e contribui para o tempo de permanência na página. Isso conta como ponto positivo na hora de classificar os endereços da web.

Velocidade de carregamento

Você sabia que cerca de 53% dos usuários abandonam páginas que demoram mais de três segundos para carregar? A informação é do próprio Google. Como os consumidores valorizam esse aspecto, o buscador privilegia sites de carregamento rápido no ranqueamento.

Backlinks

Lembra que colocamos um link para o site do IBGE ali em cima? Pois bem, esse é um backlink, ou seja, um link que direciona o usuário de um site para outro.

Quando outras páginas fazem referências com links ao seu e-commerce, o Google entende que aquele conteúdo é útil, relevante e confiável. Isso dá uma certa autoridade ao site, entende? No entanto, esses direcionamentos precisam ser naturais. Caso contrário, a página perde posições em vez de ganhar.

Localização

Ao digitar o termo “comprar celular”, por exemplo, o buscador exibe no mapa as lojas cadastradas no Google Meu Negócio na região em que o usuário está. Nesses casos, proximidade, relevância e destaque são considerados fatores de ranqueamento. Empresas com melhores avaliações, por exemplo, costumam ocupar as primeiras posições.

O que muda com a atualização do Google?

O Google faz atualizações de seus algoritmos constantemente e é importante ficar de olho para seguir as boas práticas. 

E uma das novidades mais recentes é a Product Review Update, uma atualização do buscador para priorizar páginas com avaliações de qualidade. Isto é, agora, os reviews de produtos também são considerados como fatores de ranqueamento.

A novidade começou a valer no final de 2021, mas por enquanto, impacta apenas conteúdos em inglês. Apesar de ainda não haver previsão para a atualização aqui no Brasil, é interessante adaptar o seu e-commerce para ganhar posições nos buscadores.

De acordo com o Google, a mudança foi motivada pelos feedbacks dos próprios usuários que afirmaram confiar em avaliações com evidências de que a experiência de consumo foi real. Na prática, isso significa que páginas com reviews verdadeiros e verificados ganham pontos com o Google. E para garantir a autenticidade da avaliação, vale usar recursos visuais como fotos dos produtos, vídeos e links.

E como já falamos ali em cima, o Google consegue ler e interpretar textos de maneira brilhante. Os algoritmos serão capazes de identificar avaliações autênticas e de qualidade.

Os reviews negativos, por exemplo, não são necessariamente ruins. Na verdade, isso só mostra que o processo de coleta e publicação é transparente e a avaliação foi, de fato, feita sob o ponto de vista do usuário.

O buscador até recomenda que os reviews contenham informações como vantagens e desvantagens de uso, o que diferencia o produto dos concorrentes e até dados sobre a evolução da mercadoria.

Por exemplo: sabe quando a fórmula de um cosmético ou a embalagem muda? Pois bem, o relato de consumidores satisfeitos e insatisfeitos com a reformulação são relevantes.

Mas olha: tudo isso é importante não apenas para ganhar posições no Google, viu? Reviews e avaliações melhoram a experiência dos usuários e o objetivo do buscador é justamente esse: mostrar aos consumidores conteúdos de valor e oferecer respostas satisfatórias às intenções de busca.

Quais são os benefícios de adotar um sistema de reviews no seu e-commerce?

Veja bem: antes mesmo da atualização do Google, os reviews já tinham relevância no ranqueamento das páginas Afinal de contas, as avaliações são conteúdos úteis gerados de forma espontânea pelos próprios usuários.

Os comentários ajudam a aumentar o tempo de permanência na página e melhoram a experiência do usuário no e-commerce. Tudo isso contribui para aumentar a autoridade do site e garantir pontos positivos perante o buscador da internet. Veja só mais alguns benefícios de ter avaliações no e-commerce:

imagem ilustrativa benefícios de adotar um sistema de reviews no seu e-commerce
Benefícios de adotar um sistema de reviews no seu e-commerce.

É por isso que vale a pena investir no sistema. Como o espaço é feito por consumidores para outros consumidores, é essencial incentivar a participação dos clientes. Para dar um empurrãozinho, é até legal oferecer recompensas — como pontos no programa de fidelidade, brindes ou descontos.

Mas tem um ponto que merece atenção máxima: a veracidade das informações. Lembra que explicamos que a atualização do Google visa privilegiar experiências reais? Pois bem, ter o suporte de uma plataforma independente é fundamental para garantir a transparência em todo processo. É aí que entra a RA Trustvox.

Conheça a RA Trustvox

A RA Trustvox é uma plataforma independente que coleta, audita e publica reviews. Mais que isso: a ferramenta captura e compartilha experiências reais de compra.

O legal da plataforma é que o lojista não tem autonomia para apagar, nem editar comentários. Ou seja, os relatos de consumidores — sejam eles bons ou ruins — são respeitados. É justamente isso que o Google valoriza.

Enfim, o objetivo da atualização do Google é priorizar páginas com reviews verdadeiros. E olha: seu e-commerce pode se beneficiar da novidade ao abrir espaço para consumidores deixarem suas avaliações. No entanto, lembre-se de publicar apenas opiniões de consumidores reais que tiveram experiências com os produtos, combinado?

Percebeu a importância de avaliações qualificadas e está a procura de uma ferramenta de confiança para o seu e-commerce? Então, que tal conhecer a RA Trustvox? Somos uma plataforma de reviews que constrói confiança e converte. Vale a pena conferir!

Deixe uma resposta