Investimento impulsionará crescimento e inclusão de pequenas e médias empresas

O Reclame AQUI, a maior referência em relações de consumo do Brasil com mais de 1,5 bilhão de pageviews por ano, comunica que recebeu da StoneCo (fintech de serviços financeiros cujo propósito é apoiar o empreendedor brasileiro) um aporte de recursos que possibilitará dar ainda mais voz a consumidores e oferecer softwares para empresas dos mais diversos portes e setores, descobrir e compartilhar boas experiências, tudo voltado para a melhoria da qualidade dos serviços e produtos oferecidos.  

O investimento vai ser essencial no desenvolvimento de novas soluções que ajudem pequenos e médios empreendedores no mundo físico, possibilitando que esses empreendedores possam conhecer ainda mais seus clientes e conquistar novas vendas por meio  de reviews e avaliações reais. Uma solução para indicar boas empresas para os consumidores, no mundo físico e no online, também será acelerada.

Veja: Black Friday: 5 erros comuns que sua marca não pode cometer

Diego Campos, CTO Reclame AQUI, Felipe Paniago, CMO Reclame AQUI, e Edu Neves, CEO Reclame AQUI

Para o CEO do Reclame AQUI, Edu Neves, essa operação só foi possível graças ao alinhamento de visões e culturas corporativas entre as empresas. “Nossa escolha por um investidor prezou pela autonomia e isenção da nossa plataforma. Assim, garantimos a continuidade do serviço eficiente que oferecemos e que está presente na jornada de compra de mais de 100 milhões de consumidores que nos consultam, seja em um momento de decisão de compra ou na busca de solução de um problema”.

Fundado em 2000 por Mauricio Vargas, o Reclame AQUI conta com  mais de 30 milhões de usuários e 500 mil empresas cadastradas em sua base, sempre trabalhando na melhoria das relações de consumo, oferecendo softwares e soluções para companhias de todos os portes aprimorem as experiências com os clientes.

Os atuais Presidente do Conselho, CEO e diretores do Reclame Aqui continuarão em suas mesmas posições, à frente da execução das estratégias da empresa.

A operação ainda passará pela aprovação do CADE.

Leia essa: 6 passos para começar o seu e-commerce

Deixe uma resposta