Quando falamos que as marcas estão nas mãos dos consumidores, é verdade, mas o contrário também é. Com o mundo mobile, onde as decisões estão a um simples toque/clique e que as informações são fornecidas, na maioria das vezes, sem percebermos, o varejo tem se abastecido para compor suas estratégias.

Hoje, nós consumidores (quem empreende também é consumidor, né?), carregamos quase que por 24 horas dispositivos que sabem tudo sobre nós, se bobear, mais do que nós mesmos. Por consequência, são esses mesmos devices – a internet das coisas (Internet of Things (IoT)) – que possibilitam o mapeamento da jornada de compra do consumidor e alimentam as ações do varejo.

Dados para enriquecer estratégias

Nesse sentido, nossos dados estão por todos os lugares. Com base nessa estrutura de Inteligência Artificial (IA), cada atitude que temos enriquece uma estratégia de marca, que faz chegar até nós um produto X em um momento oportuno; visto que estamos conectados a todo tempo, em todo lugar abastecendo uma nuvem de dados.

Já leu? Ter uma cultura digital é mais do que ter tecnologia

Uma vez que a marca sabe quantas vezes o consumidor entra na sua loja, para onde ele vai depois, se ele consulta seu concorrente, quantos cliques ele dá na sua página, se abandona o carrinho… ela consegue mapear seu público.

A partir daí, o que se tem são informações infinitas e variadas extraídas tanto das experiências em lojas físicas quanto de e-commerces que serão cruciais na hora de estabelecer preços e fazer promoções, por exemplo, e, por que não, mapear novos públicos que antes não eram aproveitados.

Com Inteligência Artificial, marcas conseguem soluções mais assertivas

Para entender o comportamento do público-alvo, as marcas têm se valido de tecnologias como Big Data, Analytics, Inteligência Artificial, Machine Learning. É uma das maneiras de se antecipar aos desejos de consumo oferecendo soluções mais assertivas. Pode-se dizer que o processamento desses dados dão poder às marcas para, de alguma forma, “encontrar” seus consumidores a partir de seus hábitos.

Portanto, tudo isso tem trazido insights para proporcionar experiências inovadoras e inesquecíveis para os consumidores. Caso esteja bem casada com o atendimento, a marca ganha engajamento, algo precioso. Embora pareça que não tenha nada a ver, mas com estratégias bem traçadas, parceiros certos e uma equipe de marketing digital bem antenada e alinhada, uma marca alcança o consumidor onde ele menos espera.

Consumidor no centro de tudo

Um detalhe interessante nessa evolução do varejo é que as empresas têm feito de tudo para tornar alguma adaptável ao seu negócio. E, dessa forma, colocando o consumidor absolutamente no centro de tudo.

Contudo, o alerta se volta para a responsabilidade como são tratados os dados, que são coletado em altos volumes, porque eles mapeiam pessoas e suas rotinas de compras. Definitivamente, o que elas não querem é estar expostas, mas serem conquistadas por uma marca de forma inteligente. Por fim, é aí que fica a reflexão, de quem está nas mãos de quem.

Fique por dentro: Entenda tudo sobre a Nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)

Deixe uma resposta